A Suíça é um país limpíssimo. Lá, a batalha contra o lixo é uma filosofia aperfeiçoada. Todos os resíduos são classificados e separados.

Durante os anos 1980, houve uma catástrofe ecológica. Os rios e os lagos que ilustram os cartões postais desse país maravilhoso, estavam poluídos com substâncias químicas, como fosfatos e nitratos; a terra, com metais pesados; e a população produzia, mensalmente, toneladas de lixo.

Os suíços começaram a ficar sem ar limpo para respirar e tiveram que tomar medidas drásticas.

A classificação do lixo se tornou o melhor método. No país, que tem Berna como capital, todos devem separar e classificar o lixo. Não há exceções.

Isso não é uma brincadeira ou um exagero. Quem não segue as regras, paga multa.

Diariamente, reciclam-se:

  • Papel: 70% do papel usado no país é reciclado;
  • Papelão: é reciclado à parte. O processo de reciclagem do papelão é mais caro do que o do papel. Seu custo é bancado por quem opta por usá-lo;
  • Baterias: 60% de todas as baterias vendidas na Suíça regressam aos fabricantes. Além disso, elas nunca são descartadas no lixo;
  • Vidro: 90% das garrafas voltam às fábricas. Lá, são recicladas. Os cidadãos devem entregar as garrafas sem as tampas e classificá-las de acordo com a cor;
  • Garrafas PET: 71% são recicladas;
  • Velhos aparelhos eletrônicos;
  • Embalagens metálicas: 70% desses recipientes são reciclados. Cada cidadão deve comprimi-los em uma prensa magnética;
  • Alumínio: 90% é reciclado;
  • Lâmpadas;
  • Animais mortos: é necessário pagar uma taxa para se desfazer dos corpos das mascotes. É proibido enterrá-las;
  • Óleo vegetal;
  • Óleo automotivo: a troca deve ser feita por técnicos em oficinas mecânicas autorizadas. O serviço é pago. É proibido trocar o óleo do carro em casa;
  • Resíduos orgânicos: restos de comida, plantas domésticas mortas, esterco, areia sanitária para gatos, cinzas, serragem, folhas de árvores, galhos, entre outros;
  • Materiais domésticos como pedras e porcelana;
  • Medicamentos vencidos.

A polícia do lixo — sim, esse é o seu nome! — abre todos os sacos que não têm o selo adesivo de identificação e procura qualquer documento, recibo ou nota fiscal que localize o dono. A multa por descarte do lixo sem pagar os impostos custa 10 mil francos suíços, cerca de R$ 40 mil.

A solução suíça para questão do lixo funciona não por causa das multas caras, mas sim, graças à consciência da população. Todos sabem que, para viver bem, é necessário cuidar corretamente dos detritos.