O contato entre a vida selvagem e o homem cresce na medida que há uma constante expansão das atividades antrópicas. A proximidade entre vida selvagem e homem pode gerar respostas diferentes, desde aquelas que desejam o contato/proximidade, àquelas que refutam a presença de qualquer espécie animal ou mesmo vegetal. Em muitos casos, o simples avistamento de um predador pode gerar desconforto cuja ação imediata é a solicitação de retirada do animal daquela área. Em outros, o animal ataca rebanhos domésticos causando prejuízos econômicos e proprietários se mobilizam na busca de uma solução pacífica. As respostas e comportamentos frente a estas ocorrências são extremamente variadas e não há uma maneira única de solucionar tais conflitos.

 1 natturis

Nesse contexto, o primeiro passo para um bom direcionamento na solução do conflito é entender o papel de cada ator, assim como entender a dimensão ambiental que está exercendo influência sobre os atores e na própria dinâmica do conflito. Ou seja, não basta olhar para um mamífero predador que está atacando ovelhas e querer removê-lo da região, é preciso entender a paisagem e suas correlações, a dinâmica e estrutura populacional da espécie alvo, o contexto sócio-econômico, a capacidade de mobilização social, entre diversos outros fatores. Esse livro não tem a intenção de esgotar o assunto, lembremos o quão complexo ele é, mas aborda a relação mamíferos carnívoros x homem indicando caminhos que podem minimizar os conflitos nessa convivência, quiçá tornando-a mais harmoniosa.

Assim se inicia o livro, com este prefácio de Ronaldo Gonçalves Morato (Coordenador do CENAP). Para se aprofundar mais neste universo tão rico, faça o download  do livro completo aqui: http:/oo./ggl/izRnOM